A VERDADE SOBRE O NATAL.

verdade sobre o natal

Certa vez o Coelhinho da Páscoa e o Papai Noel estavam conversando, e der repente surgiu um assunto sobre Jesus e eles começaram a brigar sobre quem conseguiu  fazer mais sucesso nas datas comemorativas que envolviam Jesus.

O colelhinho se virou para São Nicolau e disse ” Eu matei a sua morte e apaguei a seu significado.”

Papai Noel retrucou ” E eu fiz  mais, o matei no dia do seu nascimento.

Parece irônico mas não é, nas duas datas mais importantes para o calendario cristão os astros principais são, um coelhinho com ovos de chocolate, e um velho que se veste de vermelho e voa em um trenó.

Que identidade tem isto com o cristianismo ou em que contribui para a propagação da mensagem de cristo.

Mas em meio a toda esta miscelânea que temos hoje em nosso natal, de onde surgiu toda esta bagunça que circula este suposto nascimento de Cristo.

O que a igreja católica tentou fazer no começo ao transformar a data do nascimento do deus sol em nascimento de Cristo para ofuscar esta data pagã, foi um tiro que saiu pela culatra,  pois o papai noel tomou conta do pedaço.

A origem da data

O certo é que não se sabe a data exata do nascimento de Jesus.
Nós evangélicos, acompanhamos por tradição de calendário a data de 25 de Dezembro.
Mas esta data não tem nenhum fundamento bíblico e nem ao menos histórico para ser considerada
a data do nascimento do Nosso Senhor Jesus Cristo.
Só para deixarmos claro, a palavra natal não tem nada a ver com papai noel ou ao menos presentes.
Papai noel não existe, e nem prova-se que ele tenha existido, isto também é fruto de lendas e
tradições católicas, como boa parte de seus santos.
A palavra natal significa Nascimento.
25 de dezembro era uma data pagã, podendo ser de origem solar A Saturnal dos Romanos
Era data da antiga festa Romana em homenagem ao deus Sol,
celebrando o nascimento do deus-Sol,
segundo a American Encyclopedia. A festa do sol era uma festa de prazeres desenfreados.
Esta data também colide com a adoração Egípicia ao filho de isis Rainha do céu.
A Igreja católica da época voltada ao paganismo precisava ter suas festas, e acabou por dar nomes
cristãos às festas pagãs já existentes, identificando o Nascimento de Cristo na pior das festas
pagãs, fixaram para aquela data 25 de dezembro como o nascimento de Cristo.
A Igreja criou as festas chamadas cristãs, para substituir as pagãs.
Santo Agostinho registrou que o povo estava tão determinado a ter festas
que o clero se sujeitou a isso!

O certo é que não se sabe a data exata do nascimento de Jesus.Nós evangélicos, acompanhamos por tradição de calendário a data de 25 de Dezembro.Mas esta data não tem nenhum fundamento bíblico e nem ao menos histórico para ser consideradaa data do nascimento do Nosso Senhor Jesus Cristo.Só para deixarmos claro, a palavra natal não tem nada a ver com papai noel ou ao menos presentes.Papai noel não existe, e nem prova-se que ele tenha existido, isto também é fruto de lendas etradições católicas, como boa parte de seus santos. A palavra natal significa Nascimento. 25 de dezembro era uma data pagã, podendo ser de origem solar A Saturnal dos RomanosEra data da antiga festa Romana em homenagem ao deus Sol, celebrando o nascimento do deus-Sol, segundo a American Encyclopedia. A festa do sol era uma festa de prazeres desenfreados. Esta data também colide com a adoração Egípicia ao filho de isis Rainha do céu.A Igreja católica da época voltada ao paganismo precisava ter suas festas, e acabou por dar nomes cristãos às festas pagãs já existentes, identificando o Nascimento de Cristo na pior das festaspagãs, fixaram para aquela data 25 de dezembro como o nascimento de Cristo. A Igreja criou as festas chamadas cristãs, para substituir as pagãs. Santo Agostinho registrou que o povo estava tão determinado a ter festas que o clero se sujeitou a isso!

Os enfeites

A corda verde adornada com fitas e bolas coloridas que enfeitam as portas de tantos lares é de origem pagã.

Dela disse Frederick J. Haskins em seu livro “Answer and Questions” (Respostas e perguntas): “Se remonta aos

costumes pagãos de adornar edifícios e lugares de adoração para festividades que se celebrava na antiguidade.

Também as velas, símbolo tradicional do Natal, são uma velha tradição pagã, pois se acendiam ao ocaso para

reanimar o deus sol, quando este se extinguia para dar lugar à noite, ainda hoje muito tradicional no meio católico.

A guirlanda

Às vezes conhecida por “coroa de Natal” ou “Guirlanda” são memoriais de consagração. Em grego é “stephano” em latim “corona” – podem ser entendidas como:- enfeites, oferendas, ofertas para funerais, celebração memorial aos deuses, celebração memorial à vitalidade do mundo vegetal, celebração das vítimas que eram sacrificadas aos deuses pagãos, celebração nos esportes. Significam um “Adorno de Chamamento” e, conseqüentemente, são porta de entrada de deuses. Razão pela qual, em geral, se colocam as guirlandas nas portas, como sinal de boas vindas! A maior parte dos deuses pagãos do Egito aparecem sempre com a “guirlanda” na cabeça! A Bíblia não faz qualquer menção de uso de “guirlanda” no nascimento de Jesus.

A arvore

Descrições de florescimentos de árvores no dia do nascimento de Nosso Senhor Jesus Cristo levaram os cristãos da antiga

Europa a ornamentar suas casas com pinheiros no dia do Natal, única árvore que nas imensidões da neve permanece verde.                                                            Em muitas culturas antigas são veneradas como morada dos epíritos ou até mesmo adoradas como deuses, desde os babilonicos até mesmo os maias e diversas culturas tinham em seus costumes a adoração a árvore.                    Hoje esta enraizada no contexto natalino. Em Jeremias 42:2-6, Isaías 44:14-17 e Deuteronômio 16:21, vemos que os povos, desde a antigüidade, possuíam o mau-hábito  de utilizar a madeira, bem como as árvores, com fins de idolatria.Ver também Jeremias 10:2-4

Papai Noel ou São Nicolau

O nome “Papai Noel” é uma corruptela do nome “São Nicolau”, um bispo romano que viveu no século V. A Enciclopédia Britânica, vol.19 páginas 648-649, 11ª edição inglesa, consta o seguinte: “São Nicolau, bispo de Mira, um santo venerado pelos gregos e latinos no dia 6 de dezembro… A lenda diz que ele deixava presentes escondidos, às três filhas de um cidadão empobrecido, daí teria surgido a prática de se dar presentes“as escondidas”  no dia de São Nicolau (6 de dezembro). Mais tarde essa data fundiu-se com o “Dia de Natal” (25 de dezembro), passando a se adotar também no natal essa prática de se dar presentes “às escondidas”, como o fazia o Saint Klaus (o velho Noel!). Daí surgiu a tradição de se colocar os presentes às escondidas junto às árvores de natal!                                                                                                                                              Aos poucos a lenda foi se aperfeiçoando São Nicolau se tornou o Papai Noel, passou a morar no polo norte, construiu uma fabrica de brinquedos, e os entrega todos os natais em  renas voadoras e um trenó. Toda uma mentira montada em cima de uma data criada para lembrar o nascimento do Rei dos Reis Jesus.

A DATA DO NASCIMENTO DE JESUS

Hoje é difícil ter a precisão da data do nascimento de Jesus, sabe-se que erA típico

dos judeos não comemorar aniversários, este costume vem de outras culturas.

O intúito desta série sobre o natal não foi de forma alguma combater com ira o dia 25/12  determinado pelo homem, mas de trazer a verdade aos cristãos desenformados da origem dos costumes, simbolismos e lendas que que hoje fazem parte desta data.

Nós como cristãos estamos no mundo e obrigatoriamente devemos agir como cidadãos, mas sem nunca esquecer de nosso dever de cristãos ser o sal da terra e a luz do mundo.

Vamos comemorar o natal sim. Mas de uma maneira diferente, agradecendo a Deus por Ele ter enviado Seu filho Jesus a terra para nos salvar.

Suposto mes do nascimento de Jesus.

Baseados em alguns estudos podemos ter uma idéia do mes que Nosso salvador nasceu.

OS PASTORES: Lucas 2.8 menciona que pastores estavam nos campos cuidando de suas  ovelhas.

Em dezembro, porém, os rebanhos já teriam sido recolhidos a seus abrigos,

por causa do frio. Há um comentário no Talmude, afirmando

que os rebanhos eram colocados ao ar livre no mês de março e recolhidos em Outubro/Novembro.

Esta passagem, portanto, limita o nascimento de Jesus ao período entre o final da primavera e o início do outono (hemisfério norte).

A ORDEM SACERDOTAL DE ABIAS: Lucas 1.5 nos ensina que Zacarias, pai de João Batista  era um membro da ordem sacerdotal de Abias.

O livro de Crônicas nos informa que havia uma escala para os serviços dos sacerdotes e sobre o seu funcionamento. Em Deuteronômio 16.16

verifica-se também que haviam serviços a serem cumpridos pelos sacerdotes, por ocasião das grandes festas. Com base nessas informações, pode-se concluir que Zacarias permaneceu em serviço até ao final da 10ª semana do ano judaico, tendo servido seu período após a festa de Pentecostes.

A CONCEPÇÃO DE JOÃO BATISTA: Lucas 1.23-24, registra que Zacarias retornou a casa logo após o serviço e que João Batista foi concebido um pouco depois, provavelmente na última metade do mês de Sivan (Maio/Junho).

A CONCEPÇÃO DE JESUS: Lucas 1.26-27 e Lucas 1.36, nos informam que Maria concebeu a Jesus no sexto mês da gravidez de Elisabeth (mãe de João Batista), no final do mês de Kislev (Novembro/Dezembro), que coincide com a Festa das Luzes, ou Hanukkah.

O NASCIMENTO DE JOÃO BATISTA: Contando-se 280 dias, que é a duração usual da gestação humana, a partir do terceiro sábado de Sivan, chegamos ao nascimento de João Batista, que nasce então no mês

de Nisan durante os festejos da páscoa (Êxodo 12.1-14). É importante notar que os Judeus esperam o retorno de ELIAS por ocasião da páscoa, e até costumam deixar uma cadeira vazia a mesa para receber Elias, conforme

a profecia em Malaquias 4.5. Jesus nos disse que João Batista era o Elias esperado, e Elias (João Batista) nasce  na data que todos esperavam – a páscoa (Mateus 17.10-14). Mais outra feliz coincidência.

O NASCIMENTO DE JESUS: Acrescentando-se seis meses ao nascimento de João Batista, ou 280 dias a partir da concepção de Jesus, chegamos ao seu nascimento, na segunda metade do mês de Tishri (setembro/outubro).

Esta é a época da festa dos Tabernáculos (Levítico 23.34).

EMANUEL: Em Isaías 7.14 lemos que “… a virgem (jovem mulher solteira) conceberá, e dará à luz um filho que será chamado Emanuel.” Esta profecia se refere provavelmente à mulher que Isaías tomaria como segunda esposa, mas tipifica, como é usual nas profecias, a concepção milagrosa de Maria. Emanuel significa “Deus conosco” e a palavra “tabernáculo” significa habitar. Mais uma coincidência.

O ano mais provável

O REINADO DE HERODES: Em Mateus 2.1 verificamos que Jesus nasceu durante o reinado de Herodes o Grande;

como Herodes morreu em 4 AC, Jesus deve ter nascido antes deste ano(4 AC).

A MATANÇA DAS CRIANÇAS: Em Mateus 2.13-16 descreve-se a fuga para o Egito e a matança de todas as crianças

de Belém com menos de dois anos; Herodes havia consultado os magos (Mateus 2.7) dois anos antes; podemos concluir que Jesus deve ter nascido não depois de 6 AC.

O CENSO DE CÉSAR AUGUSTO: Em Lucas 2.1 registra-se que a ida de José e Maria a Belém aconteceu durante este censo que pode ter ocorrido entre 8 AC e 6AC, de acordo com algumas evidências históricas.