Um índio na Igreja evangélica.

DIÁRIO DO CACIQUE PARAUÍ.


Hoje fizemos uma visita a cidade grande, a muito tempo pensávamos em visitar mas nunca tivemos coragem.
Eu e meu filho flecha vermelha passamos um mês estudando a cultura do homem branco e depois de muito
estudar não aprendemos nada, homem branco, muito complicado.
Mas nós decidimos ser espertos, como homem branco, para não dar problema de homem branco estranhar índio, decidimos
visitar a sua tribo, entre o mês de fevereiro e março, pois para o homem branco é carnaval, e eles todos se fantasiam de roupas estranhas e saem a rua, mas muitos, ou a maioria saem sem roupa como as mulheres de
nossa tribo.
Depois de entrarmos na cidade com apenas uma sunga e nossa pintura de guerra decidimos dar umas voltas
para reconhecer o território, mas a mãe terra nos deu um golpe, mandou chuva naquela hora, bem que os ventos avisaram.
E derrepente algo aconteceu, paramos em frente a um local para nos proteger, onde estava um homem com uma veste toda escura na porta,e seu pescoço estava amarrado com uma corda que no fim tinha uma ponta,
nos seus pés algo que eles chamam de sapatos, pude reconhecer em seus pés Rauni, nosso antigo jacaré de estimação que homem branco mato a 2 anos atrás.
Ele estava com um livro de capa preta na mão, e levantando as mãos para nós com cara de assustado disse coisas que não entendemos nada, ele disse!
Ta amarrado satanás.
Procuramos esse tal sujeito que esta preso mas não vimos,  então levantamos as mãos para ele como sinal de respeito.
E ele vindo a nosso encontro nos puxou, eu e meu filho para dentro daquela toca, não resistimos pois a chuva esta forte
Fomos colocados em um local de assento de madeira tirada de nossa floresta também e ali ficamos sentados.
Vimos que se tratava de um ritual, uma espécie de culto a algum deus da crença deles. pois todos estavam sentados.
E um pajé estava sentando no meio, la em cima com os outros caciques e mulheres de sua tribo.
Quando o cacique mandava todos levantavam, quando o cacique falava algo todos gritavam, ele era um homem de muito poder.
O cacique levantou abriu um livro de capa preta que alguns que estavam sentados tinham, talvez só os escolhidos da tribo podiam portar esses escritos, ele lia alguns textos e falava algumas palavras ritualísticas, o publico gritava frases como, gloria a Deus, aleluia, alguns chorava e outros riam isso se repetia todo o ritual.
Algo nos chamou a atenção, quando em um momento, um cantor ritualístico disse que cantaria uma musica para uma divindade ele disse!
Vem ai um hino do retété, talvés retété seja um deus do panteão deles.
Naquele momento tivemos a certeza que retété é o deus mais poderoso da tribo.
Os tambores tocaram, o cantor começou a entoação em uma forma lenta, a música era bem calma, o publico participava em todos os momentos, derrepente o cântico ficou mais rápido, as pessoas começaram a pular, uns rodavam, outros imitavam urubus voando, outros assopravam, outros batiam palmas, eles falavam línguas que nós nunca tínhamos ouvido, e o engraçado é que as vezes eles falavam em nossa própria língua tribal.
Ficamos pasmos, avisei a meu filho que não largasse o arco, ficasse atendo a qualquer momento poderiam tentar nos sacrificar em oferenda a seu deus pois todos estavam tomados.
Uns desmaiavam, outros pulavam, e o cântico falava de um homem branco de branco no meio da congregação, mas nós procurávamos e não víamos esse tal homem.
Ao acabar o êxtase, todos voltaram ao normal, e se sentaram, o pajé continuou os rituais, vimos uma mulher que estava de muletas se aproximar dele, não estávamos entendendo muito bem o que ocorria, pois muitos deles
ficaram conversando entre os rituais, vimos a mulher se aproximar dele e ele não só era pajé mas também o curandeiro da tribo, ele colocou a mão na perna da mulher ficou com os olhos fechados e como um xamã invocou o poder de vários deuses para curar a mulher, Jeová Rafa, Giré, Jeová Nissi, jesus, entre outros, e a mulher foi curada, foi incrível comentei com o meu filho que aquele deve ser o maior curandeiro que já vi.
Em meio aos rituais, tinha ao nosso lado um homem meio alterado,com uma cara muito feia, e em um certo momento ele começou a ficar agitado, e começou a rosnar como um cão, não entendíamos nada, todos os soldados se levantaram de la de cima e vieram segurar ele que com vozes tenebrosas gritava frases estranhas.
Vimos que eles não estavam conseguindo segurar o homem branco doido, e então eu com meu arco e flecha acertei o traseiro dele em cheio mas incrivelmente a flecha nem fez cócegas.
Uma mulher velha da tribo, chagou por trás do homem e colocando a mão na cabeça dele disse.
Sai em nome de Jesus!
Naquele mesmo instante ele voltou ao normal e sua fisionomia mudou, foi algo impressionante, aquele senhora que para nós não parecia nada, era uma poderosa curandeira.
Em um momento tenso lembrei de uma pratica que abandonamos a anos em nossa tribo.
Uma mulher e um homem, talvez marido e mulher levaram seu filho para o pajé como um ato de devoção, entendemos que era para que ele o sacrificasse no altar, vi que se tratava de uma altar de sacrifício por que ele era inclinado para o lado do pajé para facilitar a caída do sangue.
Ele pegou a criança nas mãos e a levantou para o alto, víamos na cara dos pais a felicidade por entregar seu filho a retété o deus dos deuses, os membros da tribo rezaram suas rezas, e o pajé levantou a criança para
o alto, eu e meu filho não tivemos a coragem de ver o resto do sacrifício, fechei os olhos dele com a mão e os meus e só ouvimos os barulhos da multidão, um tempinho depois de Cesar o barulho decidimos abrir os olhos, e ja não vimos mais a criança nem os pais, também tínhamos visto que la havia uma sala onde levavam os pequeninos.
Eles haviam limpado o altar muito rápido, a fúria do seu deus estava apaziguada.
O culto se seguiu, o pajé abriu seu livro mágico e leu algumas palavras e começou a falar, a sua tribo se encantava com as suas palavras, ele contou a historia fascinante de um Deus que veio na terra em forma de homem e morreu para ajudar homem branco, ficamos encantado com esse Deus Jesus.
No final da história quando ele estava terminando todos estavam exaltados  aquele cantor foi chamado e todos voltaram ao transe.
No final quando todos estavam normais vimos que alguns mais velhos da tribo trouxeram uma mesa ao centro do templo, nela havia um pano em cima cobrindo os itens, foi lido alguns textos mágicos novamente  e o pano foi tirado de cima da mesa.
Quando vimos no centro da mesa, um pão e um jarro com um líquido vermelho, disse ao meu filho.
Aquele deve ser o sangue do inocente morto que eles colocaram no jarro.
Eles liam textos e cantavam, dividiram o sangue do inocente em pequenos copos, junto com um pedaço de pão e distribuíram entre o loca e apenas alguns pegaram, talvez os escolhidos, decidimos pegar para não contrariar a cultura deles.
O pajé deu a ordem e logo depois tomamos, a sensação de tomar sangue era tão ruim que nem prestamos a atenção no gosto, fora que alguns ao beberem voltaram ao transe.
Quando comemos o pão, entendemos que retété deve ser o deus da colheita e dos alimentos.
No final todos se abraçaram e começaram a sair pela porta, La fora vimos os pais da criança sacrificada, estavam de costas e fomos para dar uma palavra de consolo, quando eles viraram para nosso lado vimos o bebe no seu colo, ficamos pasmos de medo, retété havia ressuscitado a criança, ficamos felizes em saber que ele pode dar e tirar a vida.
Foi muito interessante a nossa visita a cidade grande passamos muito tempo contando as história ocorrida naquele local, mas o que mais marcou para nós foi a história do menino Deus.

As pulseirinhas do amor.

As pulseirinhas do amor.


Um alerta aos pais.
Como já não se não fosse novidade tudo que vem para o Brasil vira moda.
Desde os tempos dos hippies tudo que é lixo e que visa distorcer os valores da família e da sociedade tem desembarcado aqui, e sendo adotado por uma legião de seguidores, mesmo sendo produto nacional como o funk ou axé, os jovens e adolescentes de hoje se vem tomado de uma atração satânica por modismos que exaltam a sexualidade a falta de respeito e a violência social.
Na verdade o que vale e curtir a moda do momento e não analisar suas conseqüências ou os males que ela pode trazer.
Se a moda for, passar fezes no corpo a galera entra de cabeça no coco.
A moda agora são as chamadas pulseirinhas do amor, na verdade não se sabe ao certo onde tenha surgido, mas o seu Pais de origem tem sido apontado por muitos como a Inglaterra  onde são denominadas shag bands ( pulseiras do sexo ).
Ela é feita de silicone e custa entre R$ 0,10 dez centavos e é encontrada em camelos e lojas, com diferentes cores cada uma com seu significado:
Amarela – significa das um abraço no rapaz, Laranja – significa uma
dentadinha do amor, Roxa – já dá direito a um beijo com língua.
Cor-de-rosa – a menina tem de lhe mostrar uma parte intima do corpo, Vermelha – tem de lhe fazer uma dança sensual, Verdes – são as dos chupões no pescoço.
Já no caso da Azul, Preta, e Dourada seu significado já parte para atos sexuais.
O jogo se baseia em quebrar a pulseira do seu amigo (a) para que ele faça aquilo que a cor da pulseira manda.
Estas pulseirinhas já se tornaram moda em alguns estados do Brasil, e já vem causando preocupações em diversos pais e educadores.
Seu uso desde o surgimento já passou de uma simples brincadeira e já esta se tornando caso de dor de cabeça em muitas escolas publicas e particulares que vem proibindo seu uso entre os alunos.
Shannel Johnson, de 32 anos, descobriu através da filha, de oito, o significado das pulseiras que ela mesma considerava inofensivas.
O Batalhão Escolar do DF deu início a uma campanha preventiva, para proibir o uso das pulseiras por jovens e adolescentes nas escolas, depois de diversos casos de estupros ocasionados pelo uso das pulseiras. Diversos casos envolvendo as pulseiras e abusos sexuais,  vem ganhando os noticiários como os casos ocorridos entre março e abril nas cidades de Londrina (PR) e Manaus (AM) onde meninas que usavam as pulseiras foram violentadas e estupradas.
Uma adolescente de 13 anos foi estuprada por quatro rapazes após ter a ‘pulseirinha do sexo’ rompida no terminal urbano, em Londrina.
Bom não a nada mais que se falar, estes como outros casos já servem de alerta para os pais ficarem ligados no que seus filhos estão usando, e com quem estão se envolvendo.
Principalmente nós que somos pais cristãos de devemos educar nossos filhos de acordo com os preceitos bíblicos.
Pois para mim muitos destes adolescentes são vitimas de uma psicologia de grupo, na necessidade de se ter um status ou um significado no meio do grupo onde vivem, acabam aderindo a moda imposta pelo grupo.
Se para ser uma pessoa popular deve-se ouvir funk, vamos ouvir, se deve-se fumar, beber ou usar drogas vamos fumar beber e usar drogas, se para fazer parte do grupo ou aparecer se deve beber urina de cavalo, ou comer coco de pombo no pão, vamos comer, pois o que importa é ser popular fazer parte do grupo. Infelizmente esta tem sido a mentalidade de muitos jovens de nossa época.
Em contrapartida com todo este modismo temos o jovem Cristão aquele que não é contaminado com estas porcarias que satanás inventa.
A bíblia nos diz que o sexo deve ser realizado após o casamento, o ato sexual não se resume apenas em  uma forma de prazer, envolve uma entrega, a bíblia declara que ambos se tornam uma só carne, o homem que se junta com uma mulher para Deus se torna um com ela independente de quem ela seja.
1 Corintios 6:15 Não sabeis vós que os vossos corpos são membros de Cristo? Tomarei, pois, os membros de Cristo, e fá-los-ei membros de uma meretriz? Não, por certo.
A bíblia proíbe incessantemente o sexo antes do casamento em diversos textos, o único ato sexual que a bíblia permite é o realizado dentro do casamento onde ambos, homem e mulher se tornam uma só carne, com consentimento divino.
Gênesis 2:24 –  Portanto deixará o homem o seu pai e a sua mãe, e apegar-se-á à sua mulher, e serão ambos uma carne.
O sexo não foi criado para o simples prazer como muitos pensam, mas sim para reprodução, embora haja prazer em seu ato sempre devemos lembrar que sua maior função é a reprodução.
Por isso a bíblia proíbe sexo antes do casamento em diversos textos, pois não tem o intuito de reprodução entre casais e sim de prostituição adoração da carne prazer próprio o que é coisa maligna.
Atos 15.29
Que vos abstenhais das coisas sacrificadas aos ídolos, e do sangue, e da carne sufocada, e da fornicação; destas coisas fareis bem se vos guardardes. Bem vos fará.
1 Corinthios 5:1
GERALMENTE se ouve que há entre vós fornicação, e fornicação tal, que nem ainda entre os gentios se nomeia, como é haver quem abuse da mulher de seu pai.,
1 Corinthios 6:13
Os alimentos são para o estômago e o estômago para os alimentos; Deus, porém, aniquilará tanto um como os outros. Mas o corpo não é para a prostituição, senão para o SENHOR, e o SENHOR para o corpo.
1 Corinthios 6.18
Todo o pecado que o homem comete é fora do corpo, mas o que se prostitui peca contra o seu próprio corpo.
A bíblia diz que nosso corpo e templo do Espírito Santo e devemos matelo sempre santificado.
Fugi da prostituição. Todo o pecado que o homem comete é fora do corpo; mas o que se prostitui peca contra o seu próprio corpo.
Ou não sabeis que o vosso corpo é o templo do Espírito Santo, que habita em vós, proveniente de Deus, e que não sois de vós mesmos?
Porque fostes comprados por bom preço; glorificai, pois, a Deus no vosso corpo, e no vosso espírito, os quais pertencem a Deus.
A bíblia caracteriza o ato de expor seus desejos sexuais como lascívia.
Ora, as obras da carne são conhecidas e são: … Lascívia… (Gl 5:19)

Fazei, pois, morrer a vossa natureza terrena: …Paixão lasciva… (Cl 3:5)

Segundo o dicionário Aurélio lascívia é:
Lasciva: Sensualidade; lúbrica; desregrado (Devasso, libertino); libidinagem(Relativo ao prazer sexual, ou que o sugere; voluptuoso, Que procura constantemente e sem pudor satisfações sexuais); Luxúria.
Lascívia podemos definir como se insinuar sexualmente ou sensualmente  para qualquer pessoa, ou determinada pessoa,  quando um jovem ou uma jovem cristão esta usando estas pulseiras com cores diferentes embora possa dizer que não esta com a intenção de jogar o jogo da pulseiras esta cometendo o pecado de lascívia pois o próprio uso já da o entendimento que o (a) jovem esta se insinuando sexualmente para qualquer pessoa.  As pessoas que estão vendo as pulseiras não se importarão se estes (a) jovem esta usando por enfeite, mas sim irão interpretar como uma ato de lascívia de insinuação sexual.
O mesmo se compara a usar uma saia curtinha ou uma blusa bem decotada no meio da rua, ou ouvir musicas pornográficas.
Embora muitos digam que a maldade esta plantada no coração dos outros ela encontra sua raiz em nós quando damos razão a ela.
A maldade pode não esta no uso, mas sim na intenção maliciosa por trás destes usos. Se você como cristão sabe que tais instrumentos estão sendo usados por muitos como objeto sexual deve deixar de usar, lembre-se  você é o sal da terra e luz do mundo como diz a bíblia sagrada somos propriedade do Senhor Jesus cristo
Vós, porém, sois raça eleita, sacerdócio real, nação santa, povo de propriedade exclusiva de Deus. 1Pedro 2:9.
Estamos neste mundo para sermos exemplo e não servimos de pedra de tropeço.
Gálatas 2:20  Já estou crucificado com Cristo; e vivo, não mais eu, mas Cristo vive em mim; e a vida que agora vivo na carne, vivo-a na fé do Filho de Deus, o qual me amou, e se entregou a si mesmo por mim.
Você como jovem deve ter a mente de Cristo e devemos andar sempre de acordo com o que a sua palavra diz, devemos andar  dignamente crescendo no conhecimento de Deus.
Colossenses 1:10 Para que possais andar dignamente diante do Senhor, agradando-lhe em tudo, frutificando em toda a boa obra, e crescendo no conhecimento de Deus.