SIMÃO O MAGO

SIMÃO O MAGO

Aceitei como queriam que eu fizesse, só para ter o poder que muitos tinham.

 Aprendi um novo linguajar, reconheci a necessidade de organizar meu tempo para estar presente, e aprendi que precisava estar presente para me fazer reconhecido.

Meu nome é, NOVO CONVERTIDO.

 Li a bíblia inteira para aprender a pregar, lendo mais algumas vezes com o auxílio da leitura dinâmica, vi que não era preciso tanto para tal ofício, pois muitos pregadores mal tinham lido metade da bíblia, então com um curso de memorização, decorei versículos chave, dentro de determinados textos, aproveitei todas as oportunidades que me davam para colocar em prática aquilo que aprendia.

Meu nome é, IRMÃO.

Não satisfeito com o que tinha, corri atrás de truques lingüísticos, passei a observar os grandes pregadores e suas técnicas, as mesmas que levam o público a loucura.

Para acrescentar mais força a meus discursos, estudei nas escolas de sofisma a arte da retórica, treinei com alguns adeptos de seitas todos os meus conhecimentos técnicos da palavra, me esmerilei com a arte da apologética e me tornei um mestre da persuasão.

Meu nome é AUXILIAR.

Dominei em pouco tempo toda a arte da homilética, e toda exegese possível para não fugir de minha linha doutrinária, e partir para heresias.

Ter reconhecimento acadêmico foi fácil, com apenas  trinta e oito apostilas de assuntos diversos me tornei bacharel e teólogo.

Meu nome é DIACONO.

Acrescentei a meus discursos técnicas de auto ajuda que aprendi em algumas aulas de psicologia, lendo escritores consagrados  em alto ajuda descobri O SEGREDO de alguns pregadores do positivismo, junto com técnicas de neurolinguistica aprendi o caminho das palavras sensoriais dentro de determinados textos bíblicos, que me ajudaram a dar mais poder a meus discursos.

Meu nome é OBREIRO.

Aprendi como utilizar os números a meu favor, e as estatísticas para comprovar o que eu pregava, procurei uma linha doutrinária voltada para a teologia da prosperidade, que embora um pouco marginalizada pelo sistema, ainda permanece viva entre os pregadores da atualidade.

Curas divinas e revelações fantásticas, faziam parte de meus discursos, o público caia aos meus pés.

Meu nome é PRESBÍTERO.

Andei entre os poderosos, aumentei meu patrimônio,  pois crescimento espiritual, como dizem, sempre deve vir acompanhado do financeiro, caso contrário, algo estava errado com minha vida.

Vendi CDS, DVDS, escrevi livros, matérias de jornais e revistas, tirei fotos dei autógrafos, viajei o pais e rodei o mundo pregando a mensagem, aquilo que de graça recebi, bem caro vendi.

Meu nome é INTINERANTE.

Me  tornei modelo para muitos, todos que vinham após mim imitavam meu estilo, tanto no pregar como no agir e vesti e até mesmo andar, todos os meus jargões se tornaram grandes sucessos.

Meu nome é PASTOR.

Desde quando aceitei, persegui algo que nunca encontrei, e o que sempre me admirei foi encontrar pessoas que com menos conhecimento, tinham aquilo que sempre busquei.

Não provei, não toquei, não achei, e sempre imitei.

Talvez minha motivação fosse a causa da minha decepção.

 E tive que me contentar em saber, que ao impor minhas mãos e passar o poder, é algo que talvez eu nunca vou ter.

Meu nome é

SIMÃO O MAGO. 

O evangelho do Jesus Nanico.

E assim nasce a heresia

O Evangelho do Jesus nanico.

A comunidade do Jesus nanico.

Venha fazer parte de nossa comunidade.

Você sabia que Jesus era nanico de aproximadamente 1.50 mt de altura e até menor.

Você pode estar se perguntando,

Não, isso não pode ser  verdade?

Mas vou provar.

Provas incontestáveis.

1 – Estudos provam que a  média de altura nos tempos de Jesus era de 1,50 a 1,70 a palavra Emanuel no original Hebraico, significa Deus no barro ou Deus dentro do barro ou seja, um Deus dentro de um corpo pequeno, descobertas recentes de textos encontrados em Kibutz Ginosar em Israel datados do século II, DC provam que o povo da região de Israel, tinha em média , de 1.40 a 1.60 mt de altura, e neste texto também cita a passagem de um grande mestre Judeu da Altura de 1.40 mt.

2 – A idéia de um Jesus alto, caucasiano, forte e cabelos longos, veio de uma concepção artística, e nada tem a ver com a realidade.

3 – Jesus era da Linhagem de Davi Matheus 1 e todos nós sabemos que Davi era um homem de baixa estatura   1 Samuel 16 Porém o SENHOR disse a Samuel: Não atentes para a sua aparência, nem para a sua altura…

4 – Segundo estudos a cidade que Jesus nasceu tinha a característica de abrigar homens de pequena estatura, até mesmo a cidade era considerada pequena, conforme a profecia de Miquéias 5.2 Mas tu, Belém Efrata, posto que pequena para estar entre as milhares de Judá… Profecia esta, cumprida em Lucas 2:4,6

5 Veremos algumas provas incontestáveis nos evangelhos sobre a altura de Jesus.

Jesus foi batizado as margens do rio Jordão pois o rio era fundo, e água acima do umbigo é sinal de perigo,  o texto diz que Jesus não entrou mas ficou as margens junto ao Jordão Mateus 3:13

  1. Jesus nunca iria batizar João pois ele era mais alto. Mateus 13:15
  2. João comenta sobre a estatura de Jesus em João 3:30 É necessário que ele cresça e que eu diminua.
  3. Jesus ao dar o sermão do monte subiu para ver a multidão pois era muito baixo em comparação aos demais Mateus 5:1
  4.  Jesus era tão pequeno que dentro da casa cercado pela multidão não conseguia ser visto. Marcos 2:1,8
  5. O leproso de Marcos 8:1,4 se colocou de joelhos para ficar na altura dele.
  6. Jesus andou sobre o mar pois era perigoso para seu tamanho nadar Marcos 6:45 Mateus 14:22
  7. Jesus era tão pequeno que cabia na ponta de um barco em uma almofada Marcos 4:38 Ele, porém, estava na popa dormindo sobre a almofada; e despertaram-no, e lhe perguntaram: Mestre, não se te dá que pereçamos?
  8. Jesus usou por diversas vezes a palavra pequeno, muito comum em seu vocabulário.Mateus 10:42 Lucas 12:32 Lucas 17:2
  9. Também a palavra pequenino era usual. Mateus 11:25 Mateus 18:6 10,14, Mateus 25:40 Marcos 9:42
  10. E também a palavra menor era usada com muita freqüência Mateus 11:11;13:32 Marcos 4:31;15:40 Lucas 7:28;9:48 ;22:26
  11. Paulo usou como comparação o tamanho de Jesus para exemplo ministerial 1 Corintios 15:9 Por que eu sou o menor dos Apóstolos…
  12. Zaqueu teve que subir em uma Árvore para ver Jesus pois Ele sumia na multidão Lucas 19:5
  13. Por ele ser pequeno as roupas que lhe davam muitas vezes não cabia e acabava arrastando no chão, aproveitando isso, certa pecadora tocou a orla de seu manto. Lucas 8:44.
  14. O autor aos Hebreus coloca um ponto final sobre a estatura de Jesus: Hebreus 2:7 Tu o fizeste um pouco menor que os anjos… Todos sabemos que os anjos segundo a bíblia eram homens de estatura mediana, sendo Jesus menor ele era de aproximadamente 1,5 mt.

Então posso afirmar como diz a Bíblia em João 4:23,24 que os verdadeiros adoradores adoram a Deus em Espírito e em Verdade, sendo assim posso afirmar que somente quem se aproxima do Jesus nanico pode ter a salvação, pois  o adoram na medida exata em que ele viveu, e não com essa concepção mundana de um Jesus alto forte cabelos longos e loiros.

Somente quem freqüenta as reuniões de nossa comunidade do Jesus nanico terá a salvação, pois conseguirá alcançar a estatura do varão perfeito. É da vontade de Deus que todos busquem a estatura de varão perfeito  Efésios 4:11

Como você conseguirá alcançar a estatura do varão perfeito, sendo que nas outras religião eles não pregam qual é esta estatura.

Simples.

Aceitando o Jesus nanico como seu salvador.

Pois Ele mesmo sendo um Deus tão grande é do tamanho exato para fazer morada em seu coração.

 

Este texto foi elaborado para provar que colocando falsas informações arqueológicas, manuseando textos bíblicos fora de seus contextos e usando um bom argumento pode-se criar uma doutrina herética que se tornará fundamento para se montar uma seita.

Por isso leia a bíblia atentamente, faça como os Bereanos em Atos 17 10:14  lembre-se de 1 Timóteo 4:1  e Gálatas 1:8 

Um índio na Igreja evangélica.

DIÁRIO DO CACIQUE PARAUÍ.


Hoje fizemos uma visita a cidade grande, a muito tempo pensávamos em visitar mas nunca tivemos coragem.
Eu e meu filho flecha vermelha passamos um mês estudando a cultura do homem branco e depois de muito
estudar não aprendemos nada, homem branco, muito complicado.
Mas nós decidimos ser espertos, como homem branco, para não dar problema de homem branco estranhar índio, decidimos
visitar a sua tribo, entre o mês de fevereiro e março, pois para o homem branco é carnaval, e eles todos se fantasiam de roupas estranhas e saem a rua, mas muitos, ou a maioria saem sem roupa como as mulheres de
nossa tribo.
Depois de entrarmos na cidade com apenas uma sunga e nossa pintura de guerra decidimos dar umas voltas
para reconhecer o território, mas a mãe terra nos deu um golpe, mandou chuva naquela hora, bem que os ventos avisaram.
E derrepente algo aconteceu, paramos em frente a um local para nos proteger, onde estava um homem com uma veste toda escura na porta,e seu pescoço estava amarrado com uma corda que no fim tinha uma ponta,
nos seus pés algo que eles chamam de sapatos, pude reconhecer em seus pés Rauni, nosso antigo jacaré de estimação que homem branco mato a 2 anos atrás.
Ele estava com um livro de capa preta na mão, e levantando as mãos para nós com cara de assustado disse coisas que não entendemos nada, ele disse!
Ta amarrado satanás.
Procuramos esse tal sujeito que esta preso mas não vimos,  então levantamos as mãos para ele como sinal de respeito.
E ele vindo a nosso encontro nos puxou, eu e meu filho para dentro daquela toca, não resistimos pois a chuva esta forte
Fomos colocados em um local de assento de madeira tirada de nossa floresta também e ali ficamos sentados.
Vimos que se tratava de um ritual, uma espécie de culto a algum deus da crença deles. pois todos estavam sentados.
E um pajé estava sentando no meio, la em cima com os outros caciques e mulheres de sua tribo.
Quando o cacique mandava todos levantavam, quando o cacique falava algo todos gritavam, ele era um homem de muito poder.
O cacique levantou abriu um livro de capa preta que alguns que estavam sentados tinham, talvez só os escolhidos da tribo podiam portar esses escritos, ele lia alguns textos e falava algumas palavras ritualísticas, o publico gritava frases como, gloria a Deus, aleluia, alguns chorava e outros riam isso se repetia todo o ritual.
Algo nos chamou a atenção, quando em um momento, um cantor ritualístico disse que cantaria uma musica para uma divindade ele disse!
Vem ai um hino do retété, talvés retété seja um deus do panteão deles.
Naquele momento tivemos a certeza que retété é o deus mais poderoso da tribo.
Os tambores tocaram, o cantor começou a entoação em uma forma lenta, a música era bem calma, o publico participava em todos os momentos, derrepente o cântico ficou mais rápido, as pessoas começaram a pular, uns rodavam, outros imitavam urubus voando, outros assopravam, outros batiam palmas, eles falavam línguas que nós nunca tínhamos ouvido, e o engraçado é que as vezes eles falavam em nossa própria língua tribal.
Ficamos pasmos, avisei a meu filho que não largasse o arco, ficasse atendo a qualquer momento poderiam tentar nos sacrificar em oferenda a seu deus pois todos estavam tomados.
Uns desmaiavam, outros pulavam, e o cântico falava de um homem branco de branco no meio da congregação, mas nós procurávamos e não víamos esse tal homem.
Ao acabar o êxtase, todos voltaram ao normal, e se sentaram, o pajé continuou os rituais, vimos uma mulher que estava de muletas se aproximar dele, não estávamos entendendo muito bem o que ocorria, pois muitos deles
ficaram conversando entre os rituais, vimos a mulher se aproximar dele e ele não só era pajé mas também o curandeiro da tribo, ele colocou a mão na perna da mulher ficou com os olhos fechados e como um xamã invocou o poder de vários deuses para curar a mulher, Jeová Rafa, Giré, Jeová Nissi, jesus, entre outros, e a mulher foi curada, foi incrível comentei com o meu filho que aquele deve ser o maior curandeiro que já vi.
Em meio aos rituais, tinha ao nosso lado um homem meio alterado,com uma cara muito feia, e em um certo momento ele começou a ficar agitado, e começou a rosnar como um cão, não entendíamos nada, todos os soldados se levantaram de la de cima e vieram segurar ele que com vozes tenebrosas gritava frases estranhas.
Vimos que eles não estavam conseguindo segurar o homem branco doido, e então eu com meu arco e flecha acertei o traseiro dele em cheio mas incrivelmente a flecha nem fez cócegas.
Uma mulher velha da tribo, chagou por trás do homem e colocando a mão na cabeça dele disse.
Sai em nome de Jesus!
Naquele mesmo instante ele voltou ao normal e sua fisionomia mudou, foi algo impressionante, aquele senhora que para nós não parecia nada, era uma poderosa curandeira.
Em um momento tenso lembrei de uma pratica que abandonamos a anos em nossa tribo.
Uma mulher e um homem, talvez marido e mulher levaram seu filho para o pajé como um ato de devoção, entendemos que era para que ele o sacrificasse no altar, vi que se tratava de uma altar de sacrifício por que ele era inclinado para o lado do pajé para facilitar a caída do sangue.
Ele pegou a criança nas mãos e a levantou para o alto, víamos na cara dos pais a felicidade por entregar seu filho a retété o deus dos deuses, os membros da tribo rezaram suas rezas, e o pajé levantou a criança para
o alto, eu e meu filho não tivemos a coragem de ver o resto do sacrifício, fechei os olhos dele com a mão e os meus e só ouvimos os barulhos da multidão, um tempinho depois de Cesar o barulho decidimos abrir os olhos, e ja não vimos mais a criança nem os pais, também tínhamos visto que la havia uma sala onde levavam os pequeninos.
Eles haviam limpado o altar muito rápido, a fúria do seu deus estava apaziguada.
O culto se seguiu, o pajé abriu seu livro mágico e leu algumas palavras e começou a falar, a sua tribo se encantava com as suas palavras, ele contou a historia fascinante de um Deus que veio na terra em forma de homem e morreu para ajudar homem branco, ficamos encantado com esse Deus Jesus.
No final da história quando ele estava terminando todos estavam exaltados  aquele cantor foi chamado e todos voltaram ao transe.
No final quando todos estavam normais vimos que alguns mais velhos da tribo trouxeram uma mesa ao centro do templo, nela havia um pano em cima cobrindo os itens, foi lido alguns textos mágicos novamente  e o pano foi tirado de cima da mesa.
Quando vimos no centro da mesa, um pão e um jarro com um líquido vermelho, disse ao meu filho.
Aquele deve ser o sangue do inocente morto que eles colocaram no jarro.
Eles liam textos e cantavam, dividiram o sangue do inocente em pequenos copos, junto com um pedaço de pão e distribuíram entre o loca e apenas alguns pegaram, talvez os escolhidos, decidimos pegar para não contrariar a cultura deles.
O pajé deu a ordem e logo depois tomamos, a sensação de tomar sangue era tão ruim que nem prestamos a atenção no gosto, fora que alguns ao beberem voltaram ao transe.
Quando comemos o pão, entendemos que retété deve ser o deus da colheita e dos alimentos.
No final todos se abraçaram e começaram a sair pela porta, La fora vimos os pais da criança sacrificada, estavam de costas e fomos para dar uma palavra de consolo, quando eles viraram para nosso lado vimos o bebe no seu colo, ficamos pasmos de medo, retété havia ressuscitado a criança, ficamos felizes em saber que ele pode dar e tirar a vida.
Foi muito interessante a nossa visita a cidade grande passamos muito tempo contando as história ocorrida naquele local, mas o que mais marcou para nós foi a história do menino Deus.